Hoje, segunda-feira 19 de abril de 2021, os cinemas portugueses estão autorizados a reabrir as suas portas após vários meses de encerramento e esperamos que estas portas permaneçam abertas tanto tempo quanto possível!

A partir de hoje, pode de novo marcar uma sessão escolar no cinema num dia à sua escolha para um filme do catálogo da Cinelíngua francesa. De momento, estão disponíveis dois filmes: "Fahim" de Pierre-François Martin-Laval e "Proxima” (O Espaço Entre Nós) de Alice Winocour. Os outros dois filmes “Fourmi” (Uma pequena mentira) de Julien Rappeneau e “Donne-moi des ailes” (Voo Para a Liberdade) de Nicolas Vanier estarão disponíveis em breve e novos filmes serão adicionados ao nosso catálogo no início do próximo ano letivo (setembro de 2021).

Para “festejar” esta reabertura das salas, homenagear o cinema e partilhar novamente esta vivência coletiva do grande ecrã (com os seus risos e lágrimas, momentos de comunhão e inquietação, os seus momentos de euforia e espanto geral), listarei abaixo algumas reflexões sobre o cinema:

- Para Jacques Tati, “o cinema é uma caneta, um papel e horas de observação do mundo e das pessoas”.

- “O cinema é feito para todos aqueles cuja curiosidade é o maior defeito”, afirma Claude Lelouch.

- Julian Hanich, professor de estudos cinematográficos da Universidade de Groningen, na Holanda, disse num ensaio publicado em 2017: "Quando nos sentamos à frente de um filme com outras pessoas, fazemos parte de uma constelação coletiva."

- No seu livro "O cinema ou o homem imaginário", o sociólogo e filósofo Edgar Morin dá uma definição da sala de cinema a partir do ponto de vista do espectador: "Embora isolado, mas no seio de um ambiente humano, de uma grande gelatina de alma comum, de uma participação coletiva, que assim amplia a sua participação individual. Estar ao mesmo tempo isolado e em grupo: duas condições contraditórias e complementares favoráveis ​​à sugestão. A televisão doméstica não beneficia dessa enorme caixa de ressonância; ela se oferece através da luz, entre objetos práticos, a indivíduos que têm dificuldade em formar um grupo."

- Termino com um excerto do apelo de Thierry Frémaux, Diretor do Festival de Cinema de Cannes e do “Institut Lumière” em Lyon, datado no 26 de dezembro de 2020, para salvar as salas de cinema às vésperas do seu 125º aniversário: “[...] Lumière inventou as salas de cinema, o público os reinventa, é a sua presença que as torna mágicas. No 28 de dezembro de 1895, ele teve a intuição certa: o que as pessoas precisavam era de estar juntas para compartilhar as emoções do mundo. [...] Sempre precisamos de emoções coletivas. Na sua ausência, as salas de cinema, que são as nossas casas, nossas igrejas e nossos rituais, nunca estiveram tão presentes. Quando nos encontraremos novamente? Logo que possível. Queremos voltar a um cinema onde não existe o botão "Pausa". Ver, em uma tela grande, um filme que vamos descobrir. Sentar ao lado de alguém que não conhecemos. Redescobrir as promessas que o cinema sempre cumpriu e que nunca vão desaparecer. "

Os cinemas reabrem hoje, esperando que o público apaixonado pelas emoções coletivas também esteja presente neste reencontro com o grande ecrã!

Para marcar uma sessão escolar num cinema com os seus alunos, o formulário de Cinelíngua francesa está disponível aqui.